Header Ads

Loading...

Portugal - Primeira Liga - Campeonato Português de Futebol

GANHAR DINHEIRO COM LINKS
VEJA AQUI COMO ASSISTIR
AGORA SOB NOVA DIREÇÃO.
PARTIDA
HORÁRIO
O melhor do futebol rola aqui!
PROGRAMAÇÃO PARA O DIA 19/10/2019
-- --
CLIQUE SOBRE A PARTIDA QUE DESEJA ASSISTIR
-- --
PORTUGAL - COPA DE PORTUGAL
Coimbrões x Porto 14:45
Coimbrões x Porto - OP2 14:45
Leça x Sporting Braga 16:45
Leça x Sporting Braga - OP2 16:45
loading...
                
               A Primeira Liga (Liga NOS por razões de patrocínio) é o escalão principal do sistema de ligas de futebol de Portugal. As equipas que terminam em 17º e 18º lugares são despromovidas à Segunda Liga (exceto na época 2018-2019 em que podem descer as equipas que terminarem em 16º, 17º e 18º lugares devido à possível integração do Gil Vicente na competição na época seguinte[1]. No entanto, a Federação Portuguesa de Futebol apelou à sua integração o mais rapidamente possível), enquanto as equipas mais bem classificadas se qualificam para as competições da UEFA, nomeadamente, a Liga dos Campeões (1º lugar com acesso direto à fase de grupos e o 2º à 3ª pré-eliminatória) e a Liga Europa (3º classificado tem acesso à 3ª pré-eliminatória enquanto o 4º tem acesso à 2ª pré-eliminatória). Adicionalmente, as equipas da Primeira Liga participam na Taça da Liga e na Taça de Portugal, entrando na segunda e terceira eliminatórias destas competições, respetivamente. Até 2018, a Primeira Liga terá a designação comercial de Liga NOS, devido ao patrocínio com a NOS.[2] No final da época 2016-17 ocupava o 7º lugar no ranking da UEFA, atrás da França e da Rússia. Em 1921, após a derrota da Seleção Nacional na sua estreia frente à Espanha, surgiu a necessidade de se alterar o sistema do futebol português, constituído por campeonatos regionais (Porto e Lisboa, com algumas competições irregulares na Madeira). Nasceu assim uma prova regular com os vencedores das provas distritais chamada Campeonato de Portugal, prova que em 1938 passaria depois a designar-se Taça de Portugal. Na sua primeira edição, em 1921/22 teve apenas 2 clubes, Sporting e FCP a representar Lisboa e Porto. Competição essa que o FCP venceu numa finalíssima na sua 1ª edição. Em 1934 começou então verdadeiramente o Campeonato Nacional da I Divisão, com 8 equipas, 14 jornadas a duas voltas e a somar pontos em que o FCP foi o seu primeiro vencedor. Na altura foi chamada de Liga Experimental, tendo em conta que era a primeira vez que se organizava. Foi assim, a partir de 1934/35 que os Campeões Nacionais passaram a ser designados, a partir do Campeonato da Liga da Primeira Divisão (1934/1935) e que até hoje já teve 83 vencedores. A competição anterior, o chamado Campeonato de Portugal, era uma prova por eliminatórias, incluindo clubes da 2ª divisão cujos vencedores eram definidos numa Final (no entanto, os títulos dos Campeonatos de Portugal não contam como títulos da Taça de Portugal, nem de títulos do Campeonato da I Divisão de acordo com o que ficou definido no Relatório de Actividades da FPF de 1938). O surgimento do Campeonato da I Divisão teve muito a ver com uma nova derrota sofrida pela selecção nacional em Madrid por 9-0, no apuramento para o Mundial de 1934, em que várias vozes questionaram a competitividade do modelo do Campeonato de Portugal, nomeadamente o número reduzido de jogos disputados por cada equipa e o valor dos competidores em prova. Ricardo Ornelas escreveu no jornal "Os Sports" que se deveria realizar uma prova em poule, à semelhança do que acontecia na principais potências futebolísticas da Europa. No sentido de aumentar a competitividade do futebol português, a FPF encarregou Plácido de Souza, Ribeiro dos Reis, Cândido de Oliveira e Virgílio da Fonseca de elaborarem o projecto de uma nova competição em poule. No entanto, devido à situação económica do país, a FPF tinha dúvidas sobre a viabilidade económica da prova, devido às deslocações a que os participantes estariam sujeitos, bem como sobre a acolhimento que teria junto do público. Em 1934/35 foi criado o Campeonato da Liga da Primeira Divisão. Após o sucesso da competição, em 1938 a FPF decidiu o seguinte: "Por virtude da reforma a que se procedeu no Estatuto e Regulamentos da Federação os Campeonatos das Ligas e de Portugal passaram a designar-se, respectivamente, Campeonatos Nacionais e Taça de Portugal". —Federação Portuguesa de Futebol, Relatório de Actividades 1938 (FPF) Ao vencedor do Campeonato da Liga da Primeira Divisão (competição organizada a título experimental mas que cujos títulos são considerados oficiais) seria atribuído o título de Campeão Nacional. Participaram nesta primeira edição 8 clubes na Primeira Divisão (4 de Lisboa, 2 do Porto, 1 de Coimbra e 1 de Setúbal - os campeonatos regionais mais competitivos da época). O sucesso da prova foi imediato, não só económico mas sobretudo desportivo, com a sucessão de jogos disputados pelas melhores equipas, o que levou a que popularmente a prova relegasse para um plano secundário o Campeonato de Portugal. O jornalista Ricardo Ornelas por mais de uma ocasião no jornal “Os Sports” defendeu que o vencedor da Liga é que deveria ser considerado campeão nacional. Mais tarde tal viria a acontecer por parte da FPF.[3] Num congresso realizado em Agosto de 1938 dá-se uma remodelação dos regulamentos das provas da FPF, em que ficou estabelecido: "acabar com os Campeonatos das Ligas e substituir o Campeonato de Portugal das jornadas em sucessiva eliminações, por um campeonato de maior rigor e regularidade, pelo sistema de "poule" em duas voltas" —Acta FPF Na prática traduziu-se apenas em renomear o "Campeonato da Liga da Primeira Divisão" para "Campeonato Nacional da Primeira Divisão" (sendo a principal categoria muitas vezes abreviada para "Primeira Divisão") e renomearam o "Campeonato de Portugal" para "Taça de Portugal", de acordo com o Relatório de Actividades 1938 da FPF. A designação manteve-se até 1999, tendo sido alterada para "Primeira Liga".[4] O Futebol Clube do Porto foi o primeiro vencedor do campeonato, numa altura em que se disputava cada campeonato entre oito equipas. Manuel Soeiro, jogador do Sporting Clube de Portugal foi o primeiro melhor marcador do campeonato, com quatorze golos em 14 jogos. Foi o mesmo Sporting, que ficou a dois pontos do campeão nessa época, e que só venceu a liga em 1940-41, já na época da Primeira Divisão. Em 1935–36, foi a vez do Benfica se sagrar campeão, por três vezes consecutivas. O Belenenses foi o quarto campeão diferente da liga, vencida em 1945–46. No século seguinte, foi a vez do Boavista Futebol Clube inscrever-se na lista de campeões de Portugal. Desta vez, o clube portuense venceu a liga em 2000–01. Forma de disputa O campeonato iniciou-se em 1934-35 e confrontou apenas oito equipas na Primeira Divisão: os quatro primeiros classificados do campeonato regional de Lisboa, os dois melhores do Porto, o campeão de Setúbal e o campeão de Coimbra (os quatro campeonatos regionais mais competitivos) enquanto as restantes equipas dos regionais eram apuradas para a II Divisão. O início da época 1939-40 ficou marcada pela polémica, devido a uma batalha administrativa entre o FC Porto e o Académico do Porto relativamente a um jogo do Campeonato Regional do Porto.[5] A Federação Portuguesa de Futebol arranjou uma solução para satisfazer os dois clubes, alargando o campeonato para 10 equipas.[6] Um jogo do Campeonato Regional da AF Porto entre o F.C. Porto e o Académico Futebol Clube acabou sendo interrompido pelo árbitro após um anormal número de expulsões e lesões, sobretudo do lado do FC Porto, atribuindo a vitória ao Académico. No entanto a decisão acabou sendo contestada pelo FC Porto, dado que os regulamentos da altura não previam a interrupção do jogo por número mínimo de participantes e a AF Porto deliberou a repetição do jogo, que resultou em vitória do FC Porto. O Campeonato terminaria com FC Porto em primeiro, seguido de Leixões SC e Académico. No entanto, este último recorreu da decisão da AF Porto para a FPF. Dada a polémica instalada, a FPF decidiu pelo alargamento da Primeira Divisão para dez clubes, abrindo-se uma vaga extra para a AF Porto e outra para a AF Setúbal, decisão que teria o voto contra do FC Porto, segundo os dirigentes do Académico, para impedir a participação deste no campeonato, dada a animosidade: ...como se sabe o [FC] Porto votou contra a inclusão de mais um grupo tripeiro só para nos prejudicar, o que sendo uma deslealdade, é um tanto anti-bairrista. —Dirigente do Académico ao Jornal Stadium de 10 de Janeiro de 1940 Para além disso, a FPF anulou também o jogo de repetição entre FC Porto e Académico, o que relegou o FC Porto para a 3ª posição do campeonato regional, e atribuiu automaticamente o título regional ao Leixões SC, que no entanto repudiou publicamente a situação: O Leixões repudia a benesse. O meu clube não aceita título que não ganhou! O Leixões não quer ser campeão por favor. Não lhe assenta bem um título usurpado a outrem. Acho que foi infeliz a decisão da FPF! O FC Porto não merecia semelhante castigo, apenas para ser beneficiado um terceiro. Afinal, veio parar ao Leixões, que não sente nenhuma honra com o facto. —Edmundo Ferreira, presidente do Leixões SC em 1940 Na época seguinte, a prova voltaria a ser disputada por oito equipas. Na época 1941-42 foi decidido que o campeonato seria alargado de oito para dez equipas para admitir os campeões da AF Braga e AF Algarve (até esta época apenas os dois primeiros classificados dos campeonatos regionais das AFs do Porto, Coimbra, Lisboa e Setúbal eram admitidos). O FC Porto acabou o campeonato regional em terceiro lugar, o que não dava acesso à Primeira Divisão. Contudo, um segundo alargamento (de dez para doze equipas) na mesma época foi decidido, o que permitiu ao clube participar na Primeira Divisão.[7] Este número de clubes ir-se-ia manter até 1945-46, altura em que admitiu doze equipas (entraram os campeões de Évora e Aveiro). Na época 1946-47, dá-se uma reformulação dos quadros competitivos, acabando-se com a qualificação a partir dos campeonatos regionais, passando a existir uma lógica de continuidade entre edições, e um sistema de promoções e descidas entre divisões. A Primeira Divisão foi alargada para 14 equipas, enquanto a II Divisão foi reformulada, e criada uma III Divisão. O número de equipas na Primeira Divisão manteve-se durante vinte e cinco épocas, até que em 1971-72 passou a dezasseis equipas para, em 1987-88, passar a admitir vinte, assim se mantendo por duas épocas. Em 1989-90 assume o formato das dezoito equipas, com uma excepção na temporada seguinte (vinte), mantendo-se assim até a época 2005-06, sendo que na época 2006-07 houve uma redução para dezasseis equipas. Em 2014-15 regressou-se ao modelo de dezoito equipas, motivada pelas pretensões de vários clubes de menor dimensão bem como pela integração do Boavista Futebol Clube, devido à prescrição do procedimento disciplinar ocorrido em 2008, devido ao processo Apito Final. Optou-se portanto pelo arquivamento, sem qualquer juízo sobre a existência ou não da infracção que pendia sobre o Boavista.[8] Desta maneira impôs-se a sua re-introdução na Primeira Liga. O troféu O troféu de campeão nacional é entregue anualmente pela FPF. Na época 2011–12 foi introduzido um novo troféu maior e mais pesado que o original e que era atribuído ao clube que desde então conseguisse ganhar 3 campeonatos consecutivos ou 5 campeonatos intercalados. Este troféu foi apenas entregue ao SL Benfica pelos campeonatos ganhos nas épocas 2013-14, 2014-15 e 2015-16 e a partir da época 2016-17 deixou de ser entregue. Acesso a competições da UEFA O acesso às competições de clubes da UEFA é feito tendo por base a posição do país no ranking da UEFA. No final da época 2016-17, fruto do 7º lugar no ranking, o campeão tem acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões da UEFA, enquanto que o vice-campeão tem acesso à terceira pré-eliminatória. O terceiro lugar e quarto lugares dão acesso à terceira e segunda pré-eliminatórias da Liga Europa da UEFA, respetivamente. Contudo, se o vencedor da Taça de Portugal tiver conseguido a qualificação para a Liga dos Campeões da UEFA, o terceiro classificado é apurado para a fase de grupos da Liga Europa da UEFA e o quarto e o quinto classificados para a terceira e segunda pré-eliminatórias da mesma. Direitos de Transmissão Portugal A SportTV tem os direitos de transmissão de maior parte dos jogos da Primeira Liga. A BTV possui todos os direitos de transmissão dos jogos do Benfica em casa. Nas transmissões fora de Portugal as emissoras compram diretamente à emissora os direitos televisivos. No entanto, um jogo por semana é emitido em sinal aberto por satélite na RTP Internacional e RTP África. Brasil A Primeira Liga é transmitida na Internet pela Terra Tv, com sinal de televisão. O Grupo Globo detém os direitos de transmissão no Brasil e transmite os jogos principalmente dos principais clubes de Portugal no SporTV. Na temporada 2013-14, o BandSports perdeu os direitos do campeonato, tornando-se num exclusivo do SporTV. A partir da temporada 2014-15, a ESPN Brasil passou a transmitir o campeonato, dividindo os direitos de transmissão com o SporTV. Em setembro de 2016, os canais Esporte Interativo e BandSports adquiriram em conjunto, os direitos de transmissão da liga por uma temporada (2016/17).
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Primeira_Liga
Loading...

Nenhum comentário

Fique à vontade!